Como criar abelhas - VI. Manuseando uma colmeia

Vimos o material necessário, vejamos agora o que você deve fazer quando for lidar com as abelhas. Alguns conselhos dados por todos os apicultores experientes: - nunca trabalhe sozinho. Tenha sempre alguém lhe ajudando, protegido com macacão, máscaras e luvas, e com o fumegador aceso nas mãos. Um descuido nesse ponto poderá causar graves transtornos; - esteja sempre protegido, você também, com macacão, máscara, luvas: - todos os seus movimentos devem ser lentos e muito cuidadosos para evitar queda de tampas, quadros, caixa, ferramentas; - trabalhe limpo, as abelhas detestam mau cheiro. Evite também, nessas horas, o uso de perfumes, pois eles irritam as abelhas; - observando isso, você estará apto a seguir os próximos passos.


l - Transporte e instalação de seu enxame:


 a) O transporte deve ser feito sempre à noite, ou de madrugada antes do raiar do sol. Leve também um pedaço de espuma para fechar o alvado de cada colmeia comprada, e um rolo de fita crepe para lacrar as frestas. Se a distância do transporte for superior a 100 km, utilize uma tela para ventilação, vendida nas boas casas do ramo.


 b) Vista o macacão, ponha máscaras e luvas. Retire a tampa do fumegador, coloque no fundo pedaços de jornal ou estopa acesos, e por cima coloque serragem ou raspa de madeira, acionando o fole até produzir abundante fumaça. Seu ajudante deverá manejar continuamente o fole para manter a fumaça constante. Ele poderá parar uma ou outra vez para lhe passar alguma ferramenta, segurar alguma melgueira, ou executar alguma outra tarefa. Contudo, vigiando sempre para que o fumegador não se apague.


 c) Aproxime-se das colmeias por trás, em silêncio e com calma.


 d) Dê algumas baforadas de fumaça com o fumegador na entrada da colmeia e em torno da caixa. Espere alguns minutos.


 e) Retire o telhado, sem movimentos bruscos. Fixe as diversas partes da colmeia com fitas especiais ou pregue ripas nos lados da caixa.


 f) Dê mais algumas baforadas de fumaça e tape o alvado com a espuma. Verifique se há algum buraco por onde podem sair as abelhas e tape-os com a fita crepe.


 g) Repita a operação com cada colmeia a ser transportada.


 h) Coloque os enxames com cuidado no carro que fará o transporte.


 i) Os primeiros 30 km devem ser feitos devagar, para que as abelhas se acostumem com o movimento.


 j) Ao chegar ao destino, instale as colmeias, cada uma no seu cavalete ou suporte de alvenaria.


 k) Estando todas instaladas, retire a espuma do alvado das colmeias. Faça isso com rapidez, evitando passar diante das colmeias já abertas.


 2 - Primeira vistoria


 a) No dia seguinte, ou alguns dias depois, volte, bem protegido evidentemente, para ver se os enxames estão em ordem.


 b) Notará junto às colmeias muita movimentação de abelhas; elas estão fazendo o reconhecimento do novo local.


 c) Não abra as colmeias no dia da viagem, pois o trauma foi grande. Deixe as abelhas se acomodarem.


 3 - Vistoria de rotina


 a) Faça as revisões das colmeias de 15 em 15 dias num horário em que as abelhas campeiras estejam fora, de preferência entre as 10 e 16hs. É importante também que seja num dia de sol, sem prenúncios de chuva.


 b) Pode, se não quiser abrir as colmeias, seguir os conselhos que dou no item V, l, a-d. Eles valem para esta vistoria. Tendo um bom “olho”, nem precisará abrir as colmeias.


 c) Caso julgue que deva abri-las, siga os procedimentos indicados no item V, 2, a-c. Depois observe o que segue.


 d) Levante a tampa com o auxílio do formão de apicultor e introduza um pouco de fumaça pela fresta aberta. Tampe novamente. Espere alguns segundos.


 e) Enquanto seu ajudante maneja o fumegador, retire a tampa colocando-a em pé diante da caixa, para que as abelhas aderidas nela subam para o alvado. As melgueiras - se as houver - coloque-as num suporte diante da colmeia ou em pé no chão.


 f) Inicie a revisão do ninho retirando os quadros das extremidades para lhe facilitar a vistoria dos demais. Aqueles estarão vazios ou com mel. A rainha não costuma colocar os ovos nos quadros das extremidades.


 g) Observe as recomendações do item VI, l, b-e. h) Quadro por quadro deve ser revisto e de¬volvido ao interior da colmeia, para evitar a morte das crias por ressecamento. Os quadros do centro devem estar com postura uniforme.


 i) Os favos velhos, normalmente muito escuros, devem ser retirados e substituídos por cera alveolada.


 j) Favos com zangões notam-se logo, pois o tamanho do alvéolo para eles é maior que o da operária. Devem ser retirados.


 k) Caso haja favos defeituosos (tortos, mal formados) ou velhos mas com crias, coloque-os nas extremidades do ninho. Ali a rainha não porá mais ovos e você poderá substituí-los por cera alveolada tão logo as crias nasçam.


 1) Se houver realeiras (células especiais para rainhas) mas não crias de um dia, é porque a rainha morreu e o enxame está preparando outra. Neste caso, ele não enxameia. Mas se houver crias, muitos zangões, pólen e néctar em quantidade armazenados no ninho, é sinal de que haverá enxameação. Veja mais adiante como proceder.


 m) Terminada a revisão, reponha tudo como estava antes de começá-la. Não deixe de repor também as telhas ou proteção contra a chuva. Não é difícil o apicultor esquecer este ponto.


 4 - Vistoria para retirar o mel


 a) Siga todos os procedimentos indicados para a vistoria de rotina.


 b) Verifique se os favos de mel estão operculados (ou seja, com os alvéolos tampados) e retire só os que estiverem fechados.


 c) Substitua - se for o caso - a melgueira com mel, por outra com cera alveolada ou com os favos já feitos.


 d) Faça a centrifugação do mel longe do apiário, para não atrair as abelhas, evitando sérios acidentes.

Comentários

Postagens mais visitadas